Maurício Gieseler

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Fale com ele
- Categoria: Recursos

XII Exame de Ordem: recurso para a questão do utilitarismo (Filosofia)

2

O professor Bernardo Montalvão elaborou um modelo de recurso para a questão do utilitarismo, pois, segundo ele, o gabarito da FGV encontra-se equivocado.

Fanpage do professor Bernardo Montalvão

Mesa Redonda parte 2 (recursos)

Confiram o modelo:

Venho, por meio do presente instrumento, requerer a anulação da questão 11, referente ao modelo azul de prova, do tipo 4, a qual tem por objeto o utilitarismo com base nos argumentos abaixo relacionados:

a) o utilitarismo não se caracteriza por ser convencionalista. Jeremy Bentham, um dos principais ícones desta concepção filosófica, critica a tese contratualista, atribuindo ela aos jusnaturalistas modernos, como, por exemplo, Rousseau;

b) o utilitarismo não é antifundacionalista, mas, sim, fundacionalista, pois se funda princípio do bem-estar, ou seja, da maximização da felicidade e minimização da dor, bem como no cálculo (quantitativo ou qualitativo) da felicidade.

c) Ademais, pragmatistas, como Richard Rorty, criticam o utilitarismo pelo seu fundacionismo, afirmando, inclusive, que os utilitaristas criticavam os jusnaturalistas modernos por serem universalistas, transcendentalitas e fundacionistas, mas acabaram incorrendo no mesmo erro.

d) por fim, se é certo que o utilitarismo avalia a ação ou omissão com base nas consequências que dela derivam, se boas ou más, e se é certo que uma boa consequência pode derivar de uma ação má, que não tinha por objetivo acarretar tal consequência (consequencialismo), e se é certo, ainda, que a felicidade da qual fala o utilitarismo não é a felicidade do indivíduo, mas da maioria da sociedade, então, forçoso é reconhecer que o princípio da utilidade (maximização do prazer e minimização da dor) que avalia as ações ou omissões como boas ou más é o fundamento do Utilitarismo, um fundamento que aspira ser universal, pois aplicável a todo e qualquer homem.

Nestes termos, pede-se e se espera deferimento.

Lembrando que o prazo recursal terá início no dia 26 de dezembro.

Posts relacionados