Deputado Eduardo Cunha volta a bater forte na OAB: "um antro de corrupção"

Eduardo-Cunha-dia-16_11_2011

O deputado federal Eduardo Cunha, após um tempo sem atacar a OAB, voltou hoje a bater pesado na entidade. Vejam sua manifestação publicada em seu próprio blog:

Não desistirei nunca de lutar contra o nefasto e corrupto Exame da OAB

Estive com ministro da Educação, Aloísio Mercadante, tratando, entre outros temas, do fim do absurdo, nefasto e corrupto exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Relatei a ele todos os absurdos desse exame e senti que a sua posição poderá ser favorável à tese de quem quer acabar com esse absurdo. No ano passado, quando chamado para audiência pública, o ministério enviou um representante que defendeu o exame e reclamei disso. Só que esse representante foi demitido e o substituto não pensa igual a ele.

Senti realmente a disposição do ministério de ajudar a acabar com esse exame. Relatei ao ministro que tenho emenda inserida na MP dos médicos e que levarei à votação nominal. Acho que temos reais chances de vencermos.

Estranho esse movimento da OAB visando a discutir reforma política. Porque não discutem eleições diretas para a sua eleição interna?

Aquilo é um cartório corporativista que tenta se passar por paladino da moralidade e da democracia, mas, na verdade, é um antro de corrupção com esse exame.

Vamos em paralelo à discussão da reforma política, discutirmos o fim do exame da ordem, eleições diretas lá e controle do TCU sobre eles.

Fonte: Portal Eduardo Cunha

Alguns analistas políticos veem Eduardo Cunha como "um partido autônomo" dentro de sua própria legenda, o PMDB, tal a sua força e influência. Ele sozinho deu uma imensa dor de cabeça ao Governo quando da votação da MP dos Portos.

Cunha é hoje um dos parlamentares mais influentes do Brasil.

No final do ano passado, após a derrota no plenário de sua proposta de urgência para a votação do PL contra o Exame de Ordem, o deputado deu uma acalmada. Curiosamente, ontem também teve um evento na sede da OAB tratando da reforma política, e o deputado, toda vez que a OAB trata do tema, volta suas cargas para a questão do Exame de Ordem.

Esse tipo de manifestação havia ocorrido no auge dos protestos que sacudiram o Brasil há poucas semanas atrás. Em suma: Eduardo Cunha, aparentemente, quer a Ordem fora deste debate.

Para ele, tal como está em seu blog, a OAB tem de cuidar de sua política interna e de eleições diretas para a escolha de seu próprio presidente. O deputado tem 3 eixos de ação contra a entidade: o fim do exame da ordem, eleições diretas para o presidente do CFOAB e controle do TCU sobre as contas da Ordem.

A animosidade vem desde 2010, quando ele foi retirado da relatoria do anteprojeto do novo CPC por influência direta da OAB, que queria alguém com formação jurídica para presidir os trabalhos. Daí em diante a animosidade não só surgiu como se tornou explícita.

E agora há a disposição de inserir uma emenda na MP dos médicos e levá-la para votação. Qual o teor da emenda eu não sei, mas certamente ela versará sobre o fim do Exame ou algo muito próximo disto.

O deputado não vai parar até conseguir atingir diretamente a OAB, independente das consequências que o fim do Exame possa causar. Hoje existem uns 800 mil advogados no Brasil, e algo entre 1 a 3 milhões de bacharéis sem carteira. O fim do Exame provocaria profundas mudanças nesta realidade.

Envie seu comentário