Maurício Gieseler

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Fale com ele
- Categoria: Advocacia

Por que é uma HONRA ser um advogado!

Advogar para alguém, e quem é advogado sabe, é uma missão.

Missão porque o advogado é o intermediário entre seu cliente, um problema, o Estado e a solução do problema.

É isso que um advogado é: um intermediário.

Mas não qualquer intermediário: o advogado é O intermediário. Esse é o seu papel!

O advogado coloca a si mesmo diante de uma demanda, providenciando a busca de Justiça para o seu cliente. E isso é tão honroso que a sua remuneração tem um nome especial: honorários!

O termo “honorários” deriva do Latim honos, “honra”. Adquiriu este significado do pagamento feito por serviços de especial merecimento.

Pois quando um advogado é escolhido, ele é HONRADO pela confiança nele depositada. E é ele, o advogado, que protege a honra, a imagem, o patrimônio, a liberdade e até mesmo a vida de QUALQUER um.

Como já havia escrito aqui uma vez, se o Poder Judiciário tem órgãos, os advogados são o sangue, pois eles é que movimentam a o sistema.

Escrevi isso ANTES de mostrar a imagem abaixo. Ela foi publicada em uma página do facebook chamada “Movimento Brasil Consciente“, com 138 mil curtidas, que me despertou não só tristeza, pela maldade da montagem, como indignação com o aviltamento da imagem de um grande advogado falecido ontem.

2

A montagem de consciente não tem nada. Na realidade ela explicita uma ignorância até comum contra os advogados: o de supostamente defenderem pretensos “bandidos”.

É muito comum, até mesmo dentro das faculdades de Direito, vermos colegas se indignando quando o professor de Direito Penal pergunta se “seríamos capazes de defender estupradores“.

Já vi mais de uma vez pessoas indignadas com tal possibilidade, pois defender tal tipo de criminoso seria algo “impensável.”

Daí deriva a pergunta: se não o advogado, quem defenderia os acusados em geral?

Antes de responder, é forçoso lembrar um caso bastante recente que chocou todo o país: o linchamento da dona de casa Fabiane Maria de Jesus.

5

Ela faleceu dois dias após ter sido brutalmente espancada por dezenas de moradores de Guarujá, no litoral de São Paulo. Ela foi agredida em decorrência de um boato gerado por uma página em uma rede social afirmando que a dona de casa sequestrava crianças para utilizá-las em rituais de magia negra.

Mulher foi espancada até a morte no Guarujá por causa de boato na internet

Essa é a representação mais BRUTAL, perfeita e acabada do significado da ausência de alguém que pudesse representar a voz dela, defendendo-a do ARBÍTRIO: o advogado.

Porque é exatamente isto o que acontece quando o advogado e a Justiça se fazem ausentes. O arbítrio e sua irmã violência geram a mais terrível das proles dessa relação incestuosa: a Injustiça e a Insegurança!

O advogado existe exatamente para proporcionar a QUALQUER UM a percepção de que não será JUSTIÇADO, e o justiçamento sempre é arbitrário.

Isso porque qualquer um, qualquer um mesmo, pode ser vítima de uma injustiça.

Um dos pilares do Estado de Direito está em garantir a qualquer um julgamento de acordo com as leis, exatamente para evitar abusos e inseguranças.

Estupradores, corruptos, ladrões, homicidas merecem essa proteção, pois, para evitarmos o arbítrio, antes todos são meramente ACUSADOS e não CULPADOS.

Quando um advogado defende um pretenso estuprador, por exemplo, ele não está defendendo só o acusado em si, mas sim TODO O SISTEMA, inclusive eu, você e qualquer outra pessoa. É o sistema, incluindo aí as garantias legais e constitucionais, que visam impedir o justiçamento de um inocente em razão do achismo, abuso ou da maldade dos outros.

Fabiane Maria de Jesus morreu por conta de um simples achismo…

Márcio Thomas Bastos foi um dos melhores, talvez o MELHOR advogado de sua geração e não merecia uma montagem tacanha como esta. Aliás, tal montagem não tem o condão de lhe macular em nada a memória.

Ele foi HONRADO por poder defender todos os seus clientes, inocentes ou não, da melhor forma possível. E ele fez o que, exatamente, se espera de um advogado. E isso para o bem de todos nós.

Quanto ao Movimento Brasil Consciente e seus idealizadores, resta apenas o meu particular repúdio e uma constatação: de conscientes vocês não têm NADA!!

E quanto a vocês, jovens futuros advogados, não se deixem intimidar por este tipo de manifestação, tão absurda como comum.

Antes de tudo é uma HONRA ser advogado e um garantidor do Estado de Direito. Vocês serão a linha de frente na proteção das garantias de todas as pessoas, sejam elas o que forem.

- Categoria: Doutrina para a prova

Os livros certos para a 1ª fase do XVI Exame de Ordem!

Já estão pensando no XVI Exame de Ordem?

3

Vocês devem conhecer os livros de doutrina consolidada para o Exame de Ordem disponíveis no mercado, certo?

Pois bem…

Chegou agora o livro de Doutrina Direcionada do Portal Exame de Ordem!

Mas ele é DIFERENTE!

Não é um livro de Doutrina abrangente, e sim um livro de doutrina DIRECIONADA, com foco nos temas mais significativos que são regularmente cobrados no Exame de Ordem.

Doutrina Direcionada do Portal Exame de Ordem

Este enfoque diferenciado visa direcionar os estudos para o que efetivamente importa, oferecendo o reforço teórico onde realmente interessa, otimizando a preparação para a prova objetiva da OAB.

Esse tipo de abordagem, até onde me consta, inédita, visa oferecer ao estudante um direcionamento objetivo dentro do processo de preparação. A expertise dos autores desta obra – os professores do Portal Exame de Ordem, diuturnamente trabalhada em cursos como o Projeto UTI, Super UTI ou Curso de Resolução de Questões, e a comprovada eficácia da metodologia na preparação para a OAB dão a segurança para uma afirmação simples e segura: o método é eficaz!

O Exame de Ordem tem suas características. Observá-las, compreendê-las e doutrinar sobre este conjunto de elementos é o ponto forte desta equipe, agora traduzido na presente obra.

Os capítulos do livro foram divididos, cada um, por disciplinas, seguindo a sequência apresentada na prova objetiva. Essa sistemática de apresentação foi pensada para situar melhor o leitor dentro da dinâmica da prova, em especial respeitando a importância do peso de cada disciplina para os candidatos.

Em outras palavras, o conteúdo foi trabalho em função da incidência das questões na prova.

O foco, explicitamente, é o de propiciar uma preparação de forma ESTRATÉGICA - conceito PIONEIRAMENTE criado por nós para o Exame de Ordem - envolvendo a otimização do uso do tempo e da abordagem do conteúdo.

miniatura_questoes-comentadas

Resolver questões, e isso não é segredo para ninguém, é considerado modernamente como uma das melhores formas de se reter o conteúdo de forma consistente.

Isso porque a informação é trabalhada no cérebro de uma forma distinta da mera leitura, redação de um resumo do conteúdo estudado ou mesmo de uma revisão de cabeça.

A leitura, tomada em si mesma, é um processo passivo, onde as palavras “entram” no cérebro. Para fixar de fato um conteúdo é preciso transformar o processo de aprendizagem em algo ativo, demandando uma ação por parte do estudante.

E resolver questões se enquadra no processo ativo, pois é necessário raciocinar sobre um determinado enunciado e evocar a resposta correta. A evocação determina a certeza de que se sabe um determinado conceito, e, caso o estudante erre, ele aprende com o erro.

Resolver questões, compreendê-las, praticar a lógica dos enunciados estão compreendidos dentro de um processo ativo, e, como tal, o examinando consegue estabelecer “pontes” de fixação do conteúdo estudado e maximiza seu aprendizado.

Por isso os professores do Portal Exame de Ordem elaboraram um livro com questões respondidas da FGV para, exatamente, auxiliar os examinandos neste processo de evocação, comparação, aprendizado e fixação consistente do conteúdo.

Portal Exame de Ordem – Questões Comentadas

Pode também ser adquirida no formato de COMBO com o nosso Livro de Doutrina Direcionada:

Portal Exame de Ordem – Questões Comentadas e Doutrina Direcionada

Esta obra foca exclusivamente nas questões da FGV, descartando questões que sejam de outras organizadoras ou outros concursos. Este foco é necessário para que a lógica da atual banca organizadora do Exame de Ordem seja diretamente – e sem equívocos – apreendida pelo estudante.

Os comentários das alternativas são feitos de forma clara e bastante objetiva, mostrando de forma direta os erros e acertos do examinando.

É uma obra clara, objetiva, focada na banca correta e concebida para ser um importante instrumento de avaliação e fixação do conteúdo.

- Categoria: Advocacia

‘Advogar para o crime compensa’, diz advogado ao ostentar dinheiro na web

9

Um vídeo gravado por um advogado e professor universitário de Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, se espalhou pela internet e tem revoltado moradores da cidade, além de profissionais da classe. Na gravação, Leandro Ferreira do Amaral mostra cerca de R$ 5,5 mil em dinheiro – entre notas de R$ 100 e R$ 50 – e declara que “o crime não compensa, mas advogar para o crime compensa”.

Confiram o vídeo: ‘Advogar para o crime compensa’, diz advogado ao ostentar dinheiro na web

Após a repercussão do vídeo, o advogado se defende. “É fruto do meu trabalho”, afirma ele sobre as cédulas que aparecem nas imagens. De acordo com Amaral, a quantia veio de honorários de uma causa criminal, não especificada. “O crime não compensa, mas advogar para o crime compensa. O que eu quis dizer com a frase é que advogar para o crime compensa, advogar para o banco compensa, advogar para o trabalhador compensa porque são ações que você vê um retorno significativo na esfera da advocacia”, explica.

Amaral nega que o vídeo tenha sido uma espécie de apologia ao crime. “Eu nunca tive a intenção de tornar o vídeo público. Eu fiz para postar em um grupo de amigos, fechado, na internet. Infelizmente, a gravação foi passada para frente”, lamenta. Ele garante que as pessoas que compartilharam o vídeo serão punidas.

O advogado diz ainda que, depois do vídeo, não se envergonha dos seus alunos. “A gravação é uma maneira de incentivá-los a trabalhar honestamente. Que sirva como um exemplo positivo para eles”, afirma. Para Amaral, se o vídeo fosse feito para ser divulgado, e não para um grupo de amigos, as pessoas teriam recebido a mensagem de outra forma, positiva talvez.

OAB investiga

“Assim que soubemos do vídeo, instauramos um processo administrativo para verificar se houve violação do Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados (OAB). O processo já foi autuado e foi expedida uma notificação para que ele apresente uma justificativa dentro de 15 dias. Depois, será nomeado um relator do processo e o advogado deve apresentar sua defesa. Por fim, ele será julgado pelo Conselho de Ética”, explicou ao G1 o presidente da OAB – Subseção onta Grossa, Edmilson Schiebelbein.

Ainda de acordo Schiebelbein, o advogado pode ter violado o artigo 33 do Código de Ética de disciplina, que diz que o “o advogado deve abster-se de abordar tema de modo a comprometer a dignidade da profissão e da instituição que o congrega”.

Fonte: G1

Parece que esse vídeo é um daqueles que você mesmo grava e manda para um grupo de amigos no WhatsApp. Um desses amigos repassa para alguém fora do grupo e aí perde-se o controle de sua propagação, viralizando.

Se for isso mesmo, não vejo como imputar ao advogado qualquer tipo de penalidade. Aliás, ele deve ter feito isso dentro de um universo restrito, entre seus amigos, e isso deveria ser considerado. Não houve aqui uma intenção de se gabar ou mesmo de “ostentar”, como fala a matéria.

- Categoria: Como se preparar para a prova

Como ser persistente nos estudos em um projeto de longo prazo para a OAB

foto (1)

Faltam aproximadamente 4 meses para a próxima prova da OAB. Digo aproximadamente porque não temos ainda o calendário 2015 do Exame de Ordem. De toda forma, se o objetivo é ser aprovado no XVI Exame, os estudos têm de começar o quanto antes, em especial por conta dos péssimos dados estatísticos atrelados à prova:

Desde 2010, exame da OAB reprovou 82% dos candidatos

Esse percentual de apenas 18% de aproveitamento tem como base as últimas edições do Exame de Ordem Unificado, excluídos os Exames XIV e XV.

Não preciso tecer muitas considerações sobre essa realidade e sobre o que ela representa. Só Deus sabe quantos e-mails e relatos já recebi sobre a frustração de não passar no Exame de Ordem, afora o fato de saber o quanto é complicado passar meses, anos, estudando para concursos antes de começar a ser aprovado e SE conseguir ser aprovado.

Cronograma de Estudos para o XVI Exame de Ordem

Ser aprovado exige mais do que um projeto de longo prazo, ele demanda também por resiliência - a capacidade de suportar frustrações – como parte elementar do processo de estudos e aprovação, em especial porque, em regra, o sucesso não vem quando queremos.

Ele demora um pouco mais. Precisa de maturação, preparo e esforço. Afinal, o estudo torna a aprovação possível, mas não fácil.

Como então suportar o processo de preparação nos estudos sem se frustrar enquanto os objetivos não são alcançados?

Vamos meditar um pouco sobre isso.

O estudo guarda vínculos muito estreitos com dois elementos básicos: o tempo e as expectativas.

O tempo é fluído. Sua passagem afeta as expectativas, as metas.

Uma verdade: quanto MAIS distante estiver um objetivo, MENOS esforço empregamos para atingi-lo.

Um exemplo: o emocional faltando 4 meses para a prova e seu emocional faltando apenas 1 semana para a mesma prova. Respondam: em qual dos dois lapsos temporais vocês ficariam mais ansiosos e preocupados com a prova?

Fácil de responder, não é?

E em qual lapso temporal vocês se empenhariam mais nos estudos? Mais fácil ainda de responder.

Essa é uma percepção interessante: quando estamos próximo de uma data limite, nosso foco, cada vez mais, se volta para o objetivo. Quanto mais distante, a mente fica mais relaxada e o esforço, o empenho, são muito menores, pois o tempo elastecido diminuí a pressão.

Vou além! Ainda refletindo sobre as colocações acima, em que lapso temporal o empenho e a concentração são maiores? Fácil de responder também, não é?

Curiosamente, quando a pressão é grande, ou seja, quando o tempo para uma prova está acabando, nós nos tornamos estudantes BEM melhores.

Já perceberam isso?

Estudo indica que um estado de stress moderado AJUDA na hora da prova da OAB

Ao menos nos quesitos vontade de estudar e entrega, o desempenho cresce vertiginosamente. É uma prova de que com uma postura mental adequada, esse estado de espírito pode ser desenvolvido por qualquer pessoa.

A entrega, a força de vontade, o estudo constante e a disciplina não são virtudes de poucos eleitos. Todos podem, em projetos de estudo de longo prazo, ter um desempenho nos estudos parecidos ao dos pequenos lapsos de tempo para uma determinada prova qualquer.

Um projeto para passar na OAB, por exemplo, em que o candidato tem seis meses para estudar mas quer uma postura de estudo como se só tivesse uma semana antes da prova.

Uau! Seria fantástico!!

Como conseguir isso?

Vamos criar aqui uma situação abstrata e trabalhar sobre ela.

A data da nossa futura prova será no dia 08 de dezembro, daqui 4 meses.

Respondam: qual o estado mental de quem vai começar a se preparar agora para esta prova? Certamente a pessoa pode começar a estudar desde agora, e o fará sem sentir grandes pressões.

Este é o ponto!! PRESSÃO!

O estudante tem de gerar um ambiente de pressão para poder incrementar seu desempenho.

Observem que a meta, a prova, está 6 meses no futuro. Ela não vai pressionar o candidato da mesma forma como se o estudante estivesse apenas há uma semana da prova.

A solução para criar mais pressão está em fracionar a meta final (a prova) em várias pequenas metas, vários pequenos objetivos, todos de apenas uma semana.

A cada semana você terá de cumprir com o planejado, e apressão por fazê-lo iria exigir mais de você como estudante.

Fácil, não é? Escrevendo assim até parece ser fácil, mas não é…

E não é por um simples motivo: a natureza da pressão é distinta.

Uma coisa é uma meta auto imposta. Uma meta semanal é uma meta porque vocês assim o querem. A prova de verdade, gostem ou não, queiram ou não, não depende da vontade, será aplicada de qualquer jeito, e ela é o seu real objetivo.

Compreender esta distinção é um ponto importante no planejamento: a pressão auto imposta é mais fraca do que a pressão real. E, sendo mais fraca, é mais fácil de ser quebrada, de ser desrespeitada pelo estudante.

E quebrar as metas, deixar o tempo passar e não cumprir o cronograma podem gerar a frustração. Mais um problema a ser superado: como fazer com que a pressão em atingir a meta seja forte o suficiente para você poder cumprir com o planejado?

Gerar mais pressão ainda?

Acho que não resolveria…

Não tenho aqui uma fórmula pronta, acabada, para responder essa pergunta. No fundo trata-se mais de uma questão de força de vontade pura e simples. Depende exclusivamente do estudante ser DISCIPLINADO e COMPROMETIDO com seus objetivos.

Mas é possível inventar algo. Que tal um sistema de pequenas gratificações pessoais para cada objetivo alcançado?

Um cineminha, uma balada, uma mini-viagem, um bom vinho ou um auto-elogio para cada semana de estudos vencida satisfatoriamente. Enfim, algo trivial mas prazeroso que possa servir de pequeno estímulo para uma pequena semana de estudos, algo que motive, algo que funcione como pressão para que um pequeno resultado seja alcançado.

Fica sempre a metáfora: a escada é feita por degraus, e cada degrau vencido soma-se aos demais para conduzi-los ao fim da escada. Cada pequena vitória no planejamento levará até a vitória final no dia da prova.

Tudo isso, na verdade, serve para motivar visando um processo sabidamente longo e potencialmente enfadonho em seu começo. E tudo tem um começo.

Um planejamento de longo prazo, delimitação clara de disciplinas, estruturação de metas semanais e um sistema próprio de pequenas recompensas para se desenvolver uma pressão para se atingir pequenos resultados me parece ser uma combinação bastante eficiente de elementos que ajudarão na preparação para a prova da OAB ou para qualquer outro concurso.

E planejar isso tudo e botar em prática não exige nenhum grande esforço.

Esse é o ponto: um pequeno esforço semanal, pequenas recompensas, um pouco de pressão e, ao fim, um grande resultado.

Hora de fazer os planos saírem do papel!

- Categoria: Redes sociais

Chegou o aplicativo “CERS de Bolso!” O CERS no seu celular!

fb-cersdebolso-lancamento-v1

Imagina ter o CERS e toda a equipe de professores do Complexo, Portal Exame de Ordem e Portal Carreira Jurídica ao alcance de um clique? O CERS, em mais uma proposta inovadora, lançou a aplicativo CERS no bolso para você ficar por dentro de tudo! É o CERS com você, onde você estiver!

Na plataforma, você poderá conferir notícias em primeira mão sobre os concursos e provas mais disputadas do Brasil. Além disso, é possível participar dos quizzes com questões curiosas das mais diversas disciplinas cobradas nos concursos e exame de ordem, elaboradas com exclusividade pelos nossos professores para você testar os seus conhecimentos.

Com a ferramenta, você também pode participar do Chat com outros alunos e saber de todos os eventos que acontecem no CERS. O aplicativo é gratuito e funciona em Android ou IOS. Baixe já o CERS no bolso no seu celular! Leve o CERS com você, onde você estiver!

Aplicativo para Android

Aplicativo para IOS

- Categoria: Como se preparar para a prova

Cronograma de Estudos para o XVI Exame de Ordem

4

Segue o nosso cronograma de estudos para o XVI Exame de Ordem!

A OAB ainda não divulgou o calendário de 2015 do Exame de Ordem, mas estamos, aproximadamente, a 4 meses da próxima prova, que deverá ocorrer no final de março ou início de abril.

O guia foi concebido com base o nosso Curso preparatório completo para a 1ª fase do XVI Exame de Ordem, cujas gravações já começaram e as aulas já foram disponibilizadas.

Curso Preparatório Completo para o XVI Exame de Ordem

Valor do investimento: R$ 802,50

Como auxiliares na preparação indico os livros de Doutrina Completo e de Questões dos professores do Portal Exame de Ordem:

Portal Exame de Ordem – Doutrina Direcionada

Portal Exame de Ordem – Questões Comentadas da 1ª Fase

O arquivo pode ser distribuído livremente, ok?

Cliquem no link abaixo e baixem GRATUITAMENTE o nosso cronograma de estudos:

Cronograma de estudos para o XVI Exame de Ordem

No guia vocês encontrarão o conteúdo programático a ser estudado, devidamente adaptado, dividido por matérias e dias da semana, tudo devidamente estruturado e com orientações sobre a metodologia de estudo.

Imprimam o PDF e usem-no como suporte para os seus estudos!

Quem começa a estudar ANTES não chora DEPOIS!

Bons estudos!

- Categoria: Estatísticas

Desde 2010, exame da OAB reprovou 82% dos candidatos

Mais de 8 em cada 10 estudantes que fizeram o Exame de Ordem da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) foram reprovados nos últimos quatro anos. A estatística (82,5%) consta na segunda edição do relatório “Exame de Ordem em Números”, ao qual O GLOBO teve acesso com exclusividade. Feito pela FGV Projetos, que organiza a prova, o estudo faz uma análise do II ao XIII exames, de 2010 a 2014.

Nesse meio tempo, dos mais de 1,3 milhão de inscritos, apenas 234 mil (17,5%) receberam a tão sonhada carteira de advogado, que permite ao bacharel em Direito exercer a profissão. Desde 2010, a OAB federal organiza provas unificadas, que antes ficavam a cargo de cada seccional da organização.

A primeira fase da prova é composta por 80 questões objetivas; para pular de etapa, é preciso acertar pelo menos 40 delas. Já na segunda fase, o estudante deve realizar uma prova discursiva em uma das seis disciplinas indicadas no ato da inscrição. Vale lembrar que, a cada ano, são realizados três exames de ordem.

6

Por analisar o CPF de cada candidato, o estudo conseguiu identificar quantas vezes cada um precisava fazer o exame até conseguir a aprovação. Por isso, no universo de 1,3 milhão de inscritos foram contabilizadas pessoas que se inscreveram até 12 vezes. Na verdade, nesses quatro anos, foram 487 mil estudantes e bacharéis de Direito que passaram no exame.

E destes, 101,3 mil (43,3%) tiveram sucesso logo na primeira tentativa. O percentual vai diminuindo conforme o número de tentativas. Quase 50 mil (21,3%) precisaram de dois exames para passar, enquanto outros 32,3 mil (13,8%) só foram aprovados após três tentativas.

— Não aplicamos o exame com nenhuma satisfação em reprovar. Mas temos que fazer isso, não tem jeito. É uma questão de responsabilidade com o cidadão — afirma o presidente da Comissão do Exame de Ordem da OAB, Cláudio Ribeiro.

Assim como no primeiro estudo, o segundo relatório ressalta o aumento de cursos de graduação em Direito. Dados dos Censo de Educação Superior mostram que o número de faculdades avançou de 235 para 1.158 entre 1995 e 2012, o equivalente a uma média de 54 novos cursos a cada ano. No entanto, pela primeira vez em mais de uma década, caiu em 3% a quantidade de formandos entre 2012 e o ano passado, de 97,9 mil para 95 mil.

Apesar do recente movimento, Cláudio Ribeiro culpa a expansão “desordenada” dos cursos de Direito pelos altos índices de reprovação do Exame de Ordem:

— Não houve por parte dos sucessivos governos a responsabilidade na abertura de cursos jurídicos. As faculdades foram formando profissionais sem qualificação.

No próximo domingo, a FGV Projetos aplicará o XV Exame, que será a segunda tentativa da estudante Taynara Olava de Oliveira Santos, de 23 anos. Desta vez, Taynara se inscreveu em um cursinho preparatório para a prova. Para ela, a OAB desvirtuou o caráter pedagógico do teste, exigindo conhecimentos típicos dos concursos públicos:

— Acredito que o exame é necessário, mas eles cobram um rigor acima do que eu acho o ideal. Tem muita questão típica de “pegadinha”. É preciso avaliar a formação, mas não precisa ter esse caráter reprobatório típico de concurso.

Professor de Direito da FGV e do Ibmec, Gabriel Quintanilha prepara alunos para a OAB. Para ele, a prova tem o tom ideal necessário para avaliar bacharéis.

— O nível de dificuldade não está alto; é o nível de formação que está baixo. E olha que a OAB já tem sido bastante flexível. Erros de português na parte discursiva, por exemplo, não são mais levados em conta — lembra.

Maioria dos aprovados é homem, branco e com renda familiar mais alta

A novidade do segundo relatório da FGV Projetos fica por conta dos dados socioeconômicos dos estudantes. Por raça, 64,7% dos inscritos declararam-se brancos e 32,5% negros, enquanto amarelos e indígenas representaram, conjuntamente, apenas 2,8%. Mas o maior contraste é revelado quando a aprovação por grupo étnico mostra que a maior taxa ficou entre os que se declararam brancos (17,4%), seguidos por amarelos (15,2%), negros (14,4%) e indígenas (12,0%).

O relatório também quis a escolaridade do inscrito no exame de ordem. Se 51,5% dos estudantes frequentaram integralmente ou a maior parte do ensino médio em escolas públicas e 43,8% estudaram em escolas privadas, os percentuais quase se invertem entre os aprovados: neste conjunto, 53,4% estudaram integralmente ou na maior parte em escolas privadas, e 44%, em escolas pública.

Já por faixa de renda, o estudo mostra que o sucesso no exame aumenta conforme se eleva a riqueza familiar do estudante. Ou seja, se aqueles que informaram ter renda familiar média de 30 salários mínimos (R$ 21.720) tiveram taxa de aprovação 24%, para o grupo com renda de até 1,5 salário mínimo (R$ 1.086), apenas 11,3% eram aprovados.

Embora as mulheres sejam a maioria entre os inscritos (53,8%), elas apresentaram um desempenho ligeiramente inferior ao observado entre os candidatos do sexo masculino na taxa de aprovação média (15,9%, contra 16,7%).

Fonte: imil.org (OGlobo)

- Categoria: Ensino jurídico

Começa hoje o MAIOR Congresso Jurídico Online do Brasil! Confiram todos os detalhes!

foto (3)

Começa hoje o maior Congresso Jurídico Online do Brasil: I Congresso Jurídico Online de Ciências Criminais

A partir das 18:30, horário de Brasília, mais de 50 mil pessoas acompanharão ao vivo, online e GRATUITAMENTE o 1º Congresso Online do Complexo de Ensino Renato Saraiva – CERS.

Esta primeira edição do evento trabalhará, de forma inovadora, temas diversos do direito penal e do direito processual penal, promovendo palestras, debates e entrevistas, fomentando, sempre, a interatividade com os congressistas.

Os palestrantes e conferencistas convidados, combinando novos e consagrados talentos, todos extremamente qualificados, certamente abordarão no mais elevado nível as importantes questões teóricas e práticas dos temas escolhidos.

4

O projeto serve não apenas para acadêmicos, mas também promotores de justiça, delegados de polícia, magistrados, defensores públicos e advogados, dentre outros profissionais ligados direta ou indiretamente à área penal. 

Cliquem AQUI e conheçam a programação.

Cliquem AQUI para se inscreverem e acompanharem todo o Congresso gratuitamente.

O Congresso Jurídico possui carga horária de 20 horas/aulas. O certificado de participação será disponibilizado exclusivamente em formato digital, ao custo de R$ 50,00*, para aqueles que tiverem, no mínimo, 75% de aproveitamento do tempo das palestras. A emissão deverá ser solicitada na área do usuário no site do CERS. O documento será expedido pela Faculdade Baiana de Direito.

- Categoria: Cursos do Portal

Curso completo para o XVI Exame de Ordem! Prepare-se com ANTECEDÊNCIA para vencer a OAB!

fb

Dar início aos estudos para o Exame de Ordem com MUITA antecedência: essa é a chave para maximizar as chances de aprovação.

Essa é uma forte crença que possuímos, e isso em razão dos seguintes motivos:

1 - as estatísticas do Exame de Ordem mostram que os percentuais de aprovação são sempre baixos, na faixa entre 15 a 25% do total de inscritos;

2 - na preparação de longo prazo o examinando consegue abordar TODO o conteúdo programático para a OAB. Isso maximiza as chances de aprovação, pois o candidato poderá ter um desempenho bom em todas as diferentes disciplinas da 1ª fase;

3 - mais do que abordar todo o conteúdo, é possível implementar com qualidade uma metodologia consistente de estudo, envolvendo a resolução de exercícios e revisões periódicas, fundamentos principais para se estabelecer a chamada memória profunda. É preciso acompanhar a aula, resolver exercícios e revisar o conteúdo, e quanto antes o processo de estudo for iniciado, melhor para o estudo em si e melhor para o candidato, que produzirá para si mesmo um estudo mais consistente.

Por isso estamos lançando o nosso curso  curso preparatório COMPLETO para o XVI Exame de Ordem.

Curso Preparatório Completo para o XVI Exame de Ordem

Faltam pelo menos 4 meses para a prova objetiva do XVI Exame de Ordem. Este lapso temporal é o ideal para quem deseja começar a se preparar com antecedência, visando esgotar todo o conteúdo da futura prova objetiva. E é por isso que estamos lançando agora este curso: pois ele é abrangente, completo, perfeito para quem quer passar na 1ª fase com SEGURANÇA!

Este curso é ministrado por MESTRES na preparação para o Exame de Ordem: Renato Saraiva, Geovane Moraes, Cristiano Sobral, Aryana Manfredini, Matheus Carvalho, Flávia Bahia, Ana Cristina, André Mota, Francisco Penante, Sabrina Dourado, Paulo Machado, Frederico Amado, Cristiane Dupret, Bernardo Montalvão e Alexandre Bezerra.

A carga horária do curso é de 103 encontros, com 2 horas cada encontro, totalizando, aproximadamente, 206 horas/aulas

Valor Promocional até o dia 23/11/2014: R$ 802,50 (oitocentos e dois reais e cinquenta centavos)

DETALHE: As aulas nunca são repetidas! Aulas SEMPRE INÉDITAS e atualizadas para cada edição do Exame de Ordem.

E devemos ressaltar as seguintes vantagens:

1 – As aulas podem ser vistas desde o começo. O aluno não perde nada do conteúdo ministrado independentemente do momento da matrícula;

2 – Cada aula pode ser assistida até duas vezes;

3 – A aula pode ser pausada ou o aluno pode voltar para determinado trecho dela para rever uma explicação, maximizando a absorção do conteúdo;

4 – O aluno faz seu horário de estudo e implementa a autogestão do aprendizado.

As vantagens acima representam um plus estratégico na preparação que, somadas com a força do conteúdo ministrado pelos professores do Portal, oferece ao aluno um excelente preparação.

Cliquem no link e inscrevam-se no Curso Preparatório Completo para o XVI Exame de Ordem.

O Exame de Ordem acontece aqui, no Portal Exame de Ordem!

- Categoria: Como se preparar para a prova

Todas as peças práticas cobradas na 2ª fase do Exame de Ordem desde 2007

foto (6)

Segue uma relação com todas as peças já cobradas no Exame de Ordem Unificado desde 2007.

Qual o sentido desta lista?

Simplesmente para vocês terem uma ideia do que o CESPE e a FGV já cobraram na prova. Não se fiem, contudo, no fato da lista ser exaustiva: ela não é!

O importante para todo candidato que está na 2ª fase do XV Exame de Ordem é saber se virar em QUALQUER HIPÓTESE, ou seja, dominar a área processual da sua disciplina e conseguir identificar a solução correta para o problema apresentado.

As regras específicas (e basilares) de treinamento para a 2ª fase do Exame de Ordem

Em algumas oportunidades isso é relativamente fácil, em outras, uma verdadeira batalha.

Essa dica é de extrema valia, pois surpresas acontecem!

Não deixem, claro, de olharem o conteúdo programático de cada disciplina presente no edital - Edital do XV Exame de Ordem.

Segue o rol de peças já cobradas:

Direito Administrativo

XIV Exame de Ordem - FGV – Mandado de Segurança com pedido de liminar

XIII Exame de Ordem - FGV – Apelação

XII Exame de Ordem - FGV – Recurso Ordinário Constitucional e Apelação (A apelação por conta das falhas na errata)

XI Exame de Ordem – FGV - Petição Inicial de ação de rito ordinário

X Exame de Ordem – FGV – Contestação

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Ordinária com pedido de reintegração do servidor

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Agravo de Instrumento

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Popular

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação de desapropriação indireta ou Ação ordinária de indenização por apossamento administrativo

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Mandado de Segurança contra ato do Governador

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação de Responsabilidade Civil / Ação Indenizatória pelo rito ordinário em face da União Federal

2010.3 (FGV) – Peça Contestatória (artigo 17, §9º, da Lei 8.429/92)

2010.2 (FGV) – Petição Inicial de Ação Ordinária de Indenização por danos morais e materiais contra o município

2010.1 (Cespe/UnB) – Mandado de Segurança com pedido liminar

2009.3 (Cespe/UnB) – Impetração de mandado de segurança junto ao Superior Tribunal de Justiça ou Ajuizamento de ação sob o rito ordinário com pedido de tutela antecipada perante a justiça federal

2009.2 (Cespe/UnB) – Apelação

2009.1 (Cespe/UnB) – Mandado de Segurança com pedido de liminar impetrado no STF

2008.3 (Cespe/UnB) – Recurso Ordinário em Mandado de Segurança

2008.2 (Cespe/UnB) –Ação de anulação de ato administrativo cumulada com obrigação de fazer e com pedido de antecipação de tutela

2008.1 (Cespe/UnB) – Habeas Data

2007.3 (Cespe/UnB) – Mandado de segurança com pedido de liminar

2007.2 (Cespe/UnB) – Ação popular

2007.1 (Cespe/UnB) – Ação de indenização por desapropriação indireta

Direito Civil

XIV Exame de Ordem - FGV – Agravo de Instrumento do Art. 522 do CPC

XIII Exame de Ordem - FGV - Ação de obrigação de fazer com pedido de tutela antecipada

XII Exame de Ordem - FGV – Ação de Interdição com Pedido de Antecipação de Tutela

XI Exame de Ordem – FGV - Ação de despejo com pedido de antecipação de tutela

X Exame de Ordem – FGV – Ação de embargos de terceiros

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação de Alimentos gravídicos

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação de Usucapião Especial Urbano

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Declaratória de Inexistência de Débito c/c Obrigação de Fazer e Indenização por Danos Morais

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação cautelar de busca e apreensão de pessoa ou Ação ordinária com pedido de tutela antecipada

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Cautelar preparatória com pedido de concessão de medida liminar ou ação de conhecimento com pedido de concessão dos efeitos da tutela

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Petição Inicial de Alimentos com pedido de fixação initio litis de Alimentos Provisórios

2010.3 (FGV) – Petição Inicial direcionada para o Juízo Cível.

2010.2 (FGV) – Apelação

2010.1 (Cespe/UnB) – Réplica

2009.3 (Cespe/UnB) – Apelação

2009.2 (Cespe/UnB) – Apelação

2009.1 (Cespe/UnB) – Apelação

2008.3 (Cespe/UnB) – Apelação

2008.2 (Cespe/UnB) – Ação de indenização por danos morais e materiais cumulada com ação de alimentos pelo rito ordinário

2008.1 (Cespe/UnB) – Ação de investigação de paternidade cumulada com pedido liminar de alimentos provisionais

2007.3 (Cespe/UnB) – Ação de Indenização por Dano Material

2007.2 (Cespe/UnB) – Ação de reconhecimento e dissolução de sociedade de fato e partilha de bens

2007.1 (Cespe/UnB) – Ação de cobrança de encargos condominiais e acessórios

Direito Constitucional

XIV Exame de Ordem - FGV – Recurso Ordinário em MS para o STF

XIII Exame de Ordem - FGV – Adin

XII Exame de Ordem - FGV – Recurso Extraordinário

XI Exame de Ordem – FGV – Mandado de Segurança

X Exame de Ordem – FGV – Recurso Extraordinário

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Ordinária (dúvida sobre o cabimento de Mandado de Segurança)

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Recurso Extraordinário

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Direta de Inconstitucionalidade

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Popular

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação Ordinária com pedido de tutela antecipada ou mandado de segurança com pedido de liminar (são duas repostas por conta de uma falha grotesca no enunciado e muitas reclamações dos candidatos)

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Recurso ordinário em mandado de segurança (CF, Art. 105, II, b) de competência do STJ

2010.3 (FGV) – Habeas-data

2010.2 (FGV) – Mandado de Segurança com pedido liminar

2010.1 (Cespe/UnB) – Mandado de Segurança Coletivo com pedido liminar

2009.3 (Cespe/UnB) – Ação popular com pedido liminar

2009.2 (Cespe/UnB) – Ação popular com pedido liminar

2009.1 (Cespe/UnB) – Mandado de Segurança com pedido liminar

2008.3 (Cespe/UnB) – Mandado de Injunção

2008.2 (Cespe/UnB) – Ação Direta de Inconstitucionalidade

2008.1 (Cespe/UnB) – Mandado de Segurança

2007.3 (Cespe/UnB) – Reclamação Constitucional com pedido liminar

2007.2 (Cespe/UnB) – Mandado de Segurança preventivo coletivo

2007.1 (Cespe/UnB) – Habeas Corpus

Direito Empresarial

XIV Exame de Ordem - FGV – Ação de Execução por Quantia Certa fundada em título executivo extrajudicial

XIII Exame de Ordem - FGV – Contestação ao Requerimento de Falência

XII Exame de Ordem - FGV – Ação de Dissolução Parcial de Sociedade

XI Exame de Ordem – FGV – Recurso Especial

X Exame de Ordem – FGV – Ação de Restituição

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Agravo de Instrumento (dúvida quanto ao cabimento de apelação)

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Habilitação de Crédito Retardatária, com fundamento no art. 10, caput, da Lei 11.101/05 ou Impugnação à relação de credores

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Execução de título judicial

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Contestação

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Réplica (A réplica sequer estava prevista no edital. Após uma boa polêmica, agora está)

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Petição Inicial relativa à ação de execução

2010.3 (FGV) – Habilitação de Crédito Retardatária, Artigo 9º e § 4º do artigo 10 – Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB.

2010.2 (FGV) – Petição inicial de ação ordinária, com fundamento no artigo 1.013, § 2º do Código Civil

2010.1 (Cespe/UnB) – Ação Renovatória de locação

2009.3 (Cespe/UnB) – Embargos de terceiros

2009.2 (Cespe/UnB) – Ação revocatória

2009.1 (Cespe/UnB) – Ação monitória

2008.3 (Cespe/UnB) – Réplica à Contestação

2008.2 (Cespe/UnB) – Agravo de instrumento com pedido de efeito suspensivo

2008.1 (Cespe/UnB) – Ação cautelar inominada de sustação de protesto com pedido de liminar

2007.3 (Cespe/UnB) – Contestação

2007.2 (Cespe/UnB) – Ação de dissolução de sociedade

2007.1 (Cespe/UnB) – Ação condenatória de obrigação de não fazer cumulada com perdas e danos

Direito Penal

XIV Exame de Ordem - FGV – Memoriais (Art. 403, § 3º do CPP)

XIII Exame de Ordem - FGV - Recurso de apelação, com fundamento no artigo 593, I do CPP

XII Exame de Ordem - FGV – Apelação – 593, I, CPP

XI Exame de Ordem – FGV – Recurso em sentido estrito

X Exame de Ordem – FGV – Revisão Criminal e Justificação

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Memoriais

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Resposta à acusação, prevista no artigo 396 do CPP (e/ou art. 396-A do CPP)

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Apelação como assistente da acusação

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Petição de relaxamento de prisão, fundamentado no art. 5º, LXV, da CRFB/88, ou art. 310, I, do CPP

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Apelação, com fundamento no Art. 593, I, do CPP.

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal

2010.3 (FGV) – Recurso em Sentido Estrito, na forma do art. 581, IV, do Código de Processo Penal

2010.2 (FGV) – Resposta à Acusação, artigos 396 e/ou 396-A ou “Defesa Previa”, “Defesa Preliminar” e “Resposta Preliminar” fundamentadas nos artigos 396 e/ou 396-A

2010.1 (Cespe/UnB) – Memoriais ao juiz do tribunal do júri

2009.3 (Cespe/UnB) – Queixa-Crime

2009.2 (Cespe/UnB) – Memoriais

2009.1 (Cespe/UnB) – Recurso em sentido estrito

2008.3 (Cespe/UnB) – Resposta à Acusação

2008.2 (Cespe/UnB) – Apelação

2008.1 (Cespe/UnB) – Memoriais

2007.3 (Cespe/UnB) – Memoriais

2007.2 (Cespe/UnB) – Recurso de Apelação

2007.1 (Cespe/UnB) – Recurso Ordinário Constitucional

Direito do Trabalho

XIV Exame de Ordem - FGV – Reclamação Trabalhista

XIII Exame de Ordem - FGV – Embargos de terceiro e Embargos à Execução

XII Exame de Ordem - FGV – Reclamação Trabalhista

XI Exame de Ordem – FGV – Contestação

X Exame de Ordem – FGV – Ação de Consignação em Pagamento

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Recurso Ordinário

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Contestação

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Recurso Ordinário

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Contestação

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Contestação

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Contestação

2010.3 (FGV) – Recurso Ordinário

2010.2 (FGV) – Contestação

2010.1 (Cespe/UnB) – Contestação

2009.3 (Cespe/UnB) – Reclamação trabalhista sob o rito ordinário

2009.2 (Cespe/UnB)– Opção 1: Ação de consignação em pagamento endereçada ao juiz do trabalho

Opção 2: Reclamação Trabalhista cumulada com pedido de consignação em pagamento

2009.1 (Cespe/UnB) – Recurso Ordinário

2008.3 (Cespe/UnB) – Reclamação Trabalhista cumulada com pedido de Indenização por Danos Morais

2008.2 (Cespe/UnB) – Contestação

2008.1 (Cespe/UnB) – Contestação

2007.3 (Cespe/UnB) – Contestação

2007.2 (Cespe/UnB) – Reclamação trabalhista

2007.1 (Cespe/UnB) – Contestação

Direito Tributário

XIV Exame de Ordem - FGV – Mandado de Segurança com pedido liminar

XIII Exame de Ordem - FGV - Exceção de pré-executividade

XII Exame de Ordem - FGV – Agravo de Instrumento

XI Exame de Ordem – FGV – Mandado de segurança com pedido de liminar

X Exame de Ordem – FGV – Agravo de Instrumento, Apelação, Recurso Inominado, Ação de Repetição de Indébito, Mandado de Segurança com Pedido de Liminar, Ação Anulatória e Ação Declaratória de Inexistência de Relação Jurídica (caso totalmente atípico!)

IX Exame de Ordem Unificado – FGV – Mandado de Segurança

VIII Exame de Ordem Unificado – FGV – Agravo de Instrumento

VII Exame de Ordem Unificado – FGV – Mandado de segurança com pedido de liminar

VI Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação de repetição de indébito

V Exame de Ordem Unificado – FGV – Ação de consignação em pagamento com previsão no Art. 164, I, do CTN.

IV Exame de Ordem Unificado – FGV – Cabível o mandado de segurança com pedido de liminar, ante o abuso de poder da autoridade coatora. Cabível igualmente ação anulatória com pedido de antecipação de tutela.

2010.3 (FGV) – Embargos à Execução Fiscal

2010.2 (FGV) – Embargos à Execução Fiscal

2010.1 (Cespe/UnB) – Ação Declaratória de inexistência de relação jurídico-tributária cumulada com Ação de Repetição de Indébito e pedido de antecipação de tutela

2009.3 (Cespe/UnB)– Opção 1: Impetração de Mandado de Segurança endereçado à Vara da Fazenda Pública do Estado de São Paulo

Opção 2: Ajuizamento de ação ordinária com pedido de tutela antecipada endereçado à Vara da Fazenda Pública do Estado de São Paulo

2009.2 (Cespe/UnB) – Ação anulatória de lançamento tributário

2009.1 (Cespe/UnB) – Ação de repetição de indébito cumulada com Ação Declaratória de inexistência de relação jurídico-tributária

2008.3 (Cespe/UnB) – Ação anulatória de lançamento tributário com pedido de tutela antecipada

2008.2 (Cespe/UnB) – Ação Declaratória de inexistência de relação jurídico-tributária com pedido de tutela antecipada

2008.1 (Cespe/UnB) – Ação Declaratória de inexistência de relação jurídico-tributária cumulada com repetição de indébito e com pedido de tutela antecipada

2007.3 (Cespe/UnB) – Contestação

2007.2 (Cespe/UnB) – Ação Declaratória de inexistência de relação jurídico-tributária cumulada com repetição de indébito

2007.1 (Cespe/UnB) – Ação Declaratória de inexistência de relação jurídico-tributária cumulada com repetição de indébito